Envio de denuncia

Preencha o formulário abaixo para enviar sua denuncia.



...

Home Notícias Interior na rota da COVID-19: Belo Va...

Interior na rota da COVID-19: Belo Vale, Ibirité, Ribeirão das Neves e Sarzedo. Reflexos da pandemia na atenção secundária

Médico de família e comunidade com pós-graduação em Endocrinologia, Alisson Luiz Moreira, delegado sindical do Sinmed-MG e delegado metropolitano do CRM-MG, faz um balanço da situação da COVID-19 nas quatro localidades da região metropolitana onde atua – Belo Vale, Ibiritê, Ribeirão das Neves e Sarzedo, apontando principalmente os reflexos da pandemia para o setor secundário. 

“Com a COVID-19, as prefeituras tiveram que se adaptar. Algumas fecharam os centros de especialidades, outras remanejaram os profissionais para outras áreas de acordo com a demanda. Hoje, Ribeirão das Neves, Sarzedo e Belo Vale estão atendendo em escala mínima, depois de fecharem os centros por um período. A minha experiência direta com a COVID-19 está acontecendo em Ibiritê. O município, num primeiro momento, fechou o centro de especialidades e remanejou os especialistas para atendimento telefônico e orientações sobre os sintomas da COVID-19. Após breve abertura do centro de especialidades, em junho fomos realocados para o atendimento aos servidores com sinais gripais, onde são feitas as testagens e os afastamentos devidos. Desde março, já foram testados em torno de 500 servidores, com resultado positivo entre 20%  e 30% dos casos.

Sobre os municípios onde atendo, destaco a situação de Ribeirão das Neves, oitava cidade em número de óbitos no Estado. Neves tem um ponto peculiar que são os presídios. Segundo dados da Secretaria de Saúde do município são 2.209 casos confirmados, sendo 288 nos presídios e 73 óbitos (boletim 6/agosto). A população carcerária tem sido testada, as visitas estão canceladas, os novos detentos estão cumprindo quarentena, mas, a meu ver, a polícia prisional, que trabalha em turnos, acaba sendo o principal vetor do vírus para dentro dos presídios.

Sobre as medidas adotadas para controle da pandemia, a maioria dos municípios tem usado o plano estratégico do governo do Estado, como é o caso de Belo Vale, que recebe muita gente de fora e implantou barreiras sanitárias, testagem de temperatura, entre outros. O município entre maio e junho tinha menos de 10 casos. Hoje são 58 casos e 1 óbito.

Em Ibiritê foi montado um hospital de campanha praticamente dentro da UPA, referência também para Sarzedo, para atendimento exclusivo de pessoas com sintomas gripais e casos da COVID”.

Atendimento atenção secundária

“Nesses municípios, o atendimento nos centros de especialidades têm-se dado de forma  tranquila e segura.  Sarzedo  testa os profissionais da saúde a cada 15 dias. Ibiritê começou também com a testagem nos locais onde tem foco entre os funcionários.

Num primeiro momento os centros de especialidades tiveram problemas com a falta de Equipamentos de Proteção Individual, mais direcionados para a urgência. Mas hoje a situação já se normalizou. O nosso maior questionamento era como receber com segurança as pessoas vulneráveis, diabéticos, hipertensos, evitando aglomerações, já que muitos centros chegam a contar com até 11 especialidades diferentes. Ao final, as próprias secretarias de saúde avaliaram que era inviável manter as unidades fechadas e optou-se pelo atendimento em escala mínima, obedecendo todos os critérios de segurança.

Minha principal crítica se refere ao fechamento da estrutura secundária, que a meu ver funciona muito bem em atendimento em escala mínima. Também não vejo como positiva a atuação da atenção primária, hoje voltada principalmente para o atendimento da COVID. Com isso, casos que poderiam ser resolvidos nos centros de saúde estão chegando para os especialistas já bastante agravados pela falta de exames, de acompanhamento, principalmente dos mais idosos e de pessoas com comorbidades. O foco na COVID, e até um descontrole nas linhas horizontais de cuidado, tem gerado uma pressão cada vez maior e casos mais graves na atenção secundária.  Considero o reforço na atenção primária um ponto essencial para uma boa condição de saúde da população. Como exemplo, cito Belo Vale, que tem uma atenção primária bem focada, até exemplar, e Sarzedo”.